quarta-feira, 9 de julho de 2014

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: Da autonomia à Ciência “justificadora” do Estado-nação

RESUMO

Neste artigo apresentamos de forma sucinta uma pequena descrição da evolução da geografia desde uma ciência de síntese até a geografia autônoma. Buscamos demonstrar essa evolução, para tanto, utilizamos o corte cronológico destacando as principais escolas do pensamento geográfico e seus teóricos apresentando as principais correntes dos pensamentos geográficos - isso não quer dizer que o pensamento tenha se desenvolvido de forma cronológica, acreditamos que essa forma possa ser mais didática para o desenvolvimento deste artigo.

Palavras-chave: Evolução, Escolas do Pensamento, Geografia.

INTRODUÇÃO


Os primeiros estudiosos que buscaram na observação da superfície do planeta tinham como finalidade uma ciência que fosse capaz de organizar todo o conhecimento produzido pelas outras ciências, responsável pela “particionalização” desse conhecimento, cuja essa ciência seria uma ciência que aglutinasse tudo o que é produzindo em uma ciência de síntese, ela seria a geografia. Esses conhecimentos geográficos seriam construídos a partir da observação dos fatos ocorridos sobre a superfície da terra, uma descrição minuciosa do que era real e visível sobre essa superfície, segundo MORAES (1999), “[...] a tradição kantiana coloca a Geografia como uma ciência sintética (que trabalha com dados de todas as demais ciências), descritiva (que enumera os fenômenos abarcados) e que visa abranger uma visão de conjunto do planeta.”.  Alexander Von Humboldt (1769 – 1859) foi um dos primeiros a seguir essa linha de uma geografia descritiva da superfície da Terra, focando na observação das paisagens, sua obra Cosmos tem como principal referência um literato,
Em 1870, quando a disciplina de geografia conquistou sua autonomia com a institucionalização da ciência geográfica, ela ainda se mantinha cumprindo um papel de uma ciência de síntese, construindo um arcabouço teórico a partir das relações entre homem/meio; entendendo-se ai o homem suas relações de produção, social, culturais e econômicas; e, o meio: a paisagem, a áreas, o territórios e a região como categorias de analises. O fruto das observações resultantes das relações entre os “atores” dessa ciência geográfica entre si construiu as bases epistemológicas que vinham sendo discutidas dentro da evolução do pensamento geográfico. Abrir-se-ia, então, uma o espaço necessário para o primeiro questionamento acerta do pra quê serviria a geografia e como ela poderia influenciar no desenvolvimento da humanidade, um desses geógrafos, Piotr Kropotkin (1842 – 1921), que apontava para um caminho que deveria ser seguido – posição minoritária entre os demais, em seu ensaio “O que a geografia deve ser”, publicado em 1885 numa revista cientifica, afirma o seguinte: 

A Geografia deve cumprir, também, um serviço muito mais importante. Ela deve nos ensinar, desde nossa mais tenra infância, que todos somos irmãos, independentemente da nossa nacionalidade. Nestes tempos de guerras, de ufanismos nacionais, de ódios e rivalidades entre nações, que são habilmente alimentados por pessoas que perseguem seus próprios e egoísticos interesses, pessoais ou de classe, a geografia deve ser – na medida em que a escola deve fazer alguma coisa para contrabalançar as influências hostis – um meio para anular esses ódios ou estereótipos e construir outros sentimentos mais dignos e humanos.(Piotr Kropotkin, 1885).

Kropotkin nesse ensaio faz duras críticas à forma de se estudar a geografia e a utilização do conhecimento para favorecer os estados e os governos, que já havia dentro das escolas do pensamento geográfico - as quais vamos apresentar adiante – acerca da construção e do uso desse conhecimento produzidos por geógrafos que se colocaram a serviço da classe dominante e de seus estados.
A partir daqui, se tem muitas teorias elaboradas, que ao passo que elevaria o conhecimento geográfico formando uma epistemologia da ciência, apesar de falarmos sobre as teorias hegemônicas nessa evolução, sempre houve geógrafos que questionaram essas teorias de justificação do estado, principalmente os geógrafos seguidores de Kropotkin e do teórico do anarquismo[1], Mikhail Bakunin (1814 – 1876).

O SÉCULO XIX

O mundo via a expansão do Modo de Produção Capitalista[2] com a primeira Revolução Industrial[3] impulsionados com a invenção da máquina a vapor e o acelerado desenvolvimento das técnicas. A Europa era o centro que emanava conhecimento e progresso, mas também o ponto em que os conflitos entre as nações que precisavam de recursos naturais abundantes para efetivar esse progresso eram claros.

O desenvolvimento das ciências em geral e da geografia em particular acelerou-se nos séculos XVIII e XIX, em consequência da expansão do capitalismo, O capitalismo comercial provocaria, a partir do século XV, grande expansão das navegações e, como consequência, o desenvolvimento dos novos continentes e ilhas, fazendo com que se intensificasse o comercio entre os povos que viviam em condições naturais, e em organizações sociais as mais diversas. A Europa, que possuía o núcleo de civilização mais dinâmica e tinha maior controle da tecnologia, estendeu a sua influencia econômica e política por toda a superfície da Terra [...] (ANDRADE, 2006, p. 71)

O século XIX foi marcado pelo expansionismo territorial, principalmente de países do continente europeu sobre os demais continentes e pelas revoluções econômicas, sociais e ideológicas dentro desse turbilhão de acontecimentos a geografia teve um papel importante na história, engendrada no processo de formação de postulados teóricos para o estado e epistemológico para a ciência em si. Foi durante esse período que governos e nações que buscavam suas expansões territoriais ou manutenção dos territórios já conquistados que propiciou aos geógrafos as condições materiais necessários para montar esse arcabouço teórico patrocinado, em grande parte, por esses interesses, que a primeira vista, não era o interesse de ter um conhecimento ou a construção de uma ciência forte, mas ter uma ciência que justificasse o uso da força, da pilhagem e da “supremacia” de um povo sobre os outros, um objetivo pouco nobre, mas esses governos encontraram geógrafos dispostos a esse fim que tem seus nomes e suas teorias marcados na história da humanidade. Voltamos ressaltar que apesar disso, geógrafos críticos se mantinham na dura batalha de desmascarar os reais interesses por trás do uso do conhecimento geográfico e seus principais ícones.

ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRAFICO

Como vimos, a geografia vinha construindo seu campo de conhecimento, apesar de não ter um objeto definido, para que a geografia fosse reconhecida como uma ciência plena. Mesmo assim ela vinha sendo construída e vista como fundamental. Precisamos esmiuçar mais sobre como ela serviu aos interesses do Estado-nação[4], através de suas escolas do pensamento geográfico, que surgiam ou para justificar as ações de invasão a outros povos ou como freio aos países que detinham condições militares para a colonização forçada. O objetivo era claro, caso não houvesse uma teoria que justificasse a invasão, então esses governos buscavam nas ciências essa “justificativa”. Essa é a principal razão para que essas nações criassem suas “escolas” (teorias justificadoras).
Para entender melhor essa “guerra” teórica, precisamos observar que a França, principalmente, e outros países já haviam avançado no que diz respeito à conquista de novos territórios pelo mundo a fora. Mas havia nações como a Prússia, que de forma tardia, concluiu que precisava também colonizar outros povos, já havia travados várias guerras que resultou e anexação de outros territórios e o aumento, consequentemente, de sua população, essa posição encontrou na teoria de Friedrich Ratzel (1830 - 1905) um instrumento poderoso de legitimação do recém-criado Estado alemão[5]. Ratzel desenvolveu o conceito de “Espaço Vital”, que seria o pilar teórico do Estado alemão:

[...] o progresso implicaria a necessidade de aumentar o território, logo, de conquistar novas áreas. Justificando estas colocações, Ratzel elabora o conceito de “espaço vital”; este representaria uma proporção de equilíbrio, entre a população de uma dada sociedade e os recursos disponíveis para suprir suas necessidades, definindo assim suas potencialidades de progredir e suas premências territoriais. (MORAES, 1999, p.19)

Essa escola de pensamento instituída por Ratzel foi conhecida por Escola Alemã - Determinista, afirmava que por questões climáticas determinados povos localizados em uma parte do globo terrestre – zona tropical – estariam fadados ao subdesenvolvimento econômico, social e cultural, portanto seriam inferiores e sua colonização pelos alemães se justificaria devido sua superioridade além do que, para manter o povo alemão em seu território, necessitariam conquistar esses povos subdesenvolvidos par a serem explorados – recursos naturais - e mantidos sob seu controle.
Mas a Alemanha não se contentava em apenas buscar territórios em outros continentes, até porque, o mundo já estava em grande parte colonizado pelas grandes nações com França e Inglaterra. Embasados nessa teoria do Espaço Vital a Alemanha passou disputar com a França os territórios até mesmo em seu próprio continente.
A França com sua vasta expansão territorial era a principal força que disputava os territórios com a Alemanha, foi então que o Império Francês além de fazer o embate físico encontrou uma teoria que ficou conhecida como Escola Francesa - Possibilista, corrente defendida pelos franceses Lucien Febvre (1878 – 1956) e Vidal de La Blach (1845-1918),para confrontar a Determinista da Alemanha. La Blache desenvolveu o seu conceito de “gênero de vida”:

[...]concebia o homem como hóspede antigo de vários pontos da superfície terrestre, que em cada lugar se adaptou ao meio que o envolvia,  criando, no relacionamento constante e cumulativo com a natureza, um acervo de técnicas, hábitos, usos e constumes, que lhe permitiram utilizar os recursos naturais disponíveis. A este conjunto de técnicas e costumes, construído e passado socialmente, Vidal denominou “gênero de vida”, o qual exprimiria uma relação entre a população e os recursos, uma situação de equilíbrio, construída historicamente pelas sociedades. A diversidade dos meios explicaria a diversidade dos gêneros de vida. (MORAES, 1999, p. 23)      

Tínhamos então duas nações – escolas - (Alemanha e França) em conflitos armados, dois teóricos (Ratzel e La Blache) em intensas críticas teóricas e dois conceitos (“espaço vital” e “gênero de vida”) que se opunham. A finalidade da teoria de Lá Blach e que fazer a critica de princípios da teoria ratzeliana. Primeiro que a teoria tratava abertamente de questões políticas do estado germânico, segundo MORAES (1999) “Vidal, vestindo uma capa de objetividade, condenou a vinculação entre o pensamento geográfico e a defesa de interesses políticos imediatos, brandindo o clássico argumento liberal da “necessária neutralidade do discurso científico.” a tentativa não despolitizar o debate ideológico dando uma falsa independência do conhecimento científico e dos interesses nacionais também era a leitura da própria burguesia francesa que já tinha sua hegemonia consolidada. A segunda crítica de Vidal em relação à Ratzel foi pelo fato de que sua teoria colocava o homem, como passivo em relação ao meio – visão naturalista -, defendendo que o homem também tem um papel ativo nas transformações do meio, apesar dessa defesa MORAES (1999) aponta uma afirmação feita por Vidal “diz explicitamente: ‘a Geografia é uma ciência dos lugares, não dos homens’”. A terceira e mais contundente critica foi em relação ao determinismo dos povos pela sua condição natural, antropogeografia.

MORAES apresenta a crítica da seguinte forma:

Uma terceira crítica de Vidal à Antropogeografia, derivada da anterior, atacou a concepção fatalista e mecanicista da relação entre os homens e a natureza. Assim, atingiu diretamente a ideia da determinação da História pelas condições naturais. Vidal vai propor uma postura relativista, no trato dessa questão, dizendo que tudo o que se refere ao homem “é mediado pela contingência”. Este posicionamento, aceito por seus seguidores, fez com que a Geografia francesa abandonasse qualquer intento de generalizar. Jogou-se a criança com a água do banho, isto é, na crítica ao determinismo naturalista de Ratzel, a proposta de Vidal negou a própria determinação. (MORAES, 1999, p. 24)

Entre a guerra teórica dessas duas escolas outros geógrafos como francês Elisée Reclus (1830 - 1905) - militante anarquista que teve uma intensa participação política, participou ativamente do levante popular da comuna de Paris - também desenvolvia uma criticava a ambas as teorias que estavam a serviço de seus Estados, produzindo algumas obras como: “Geografia Universal” e “A Terra e o homem”, que defendia uma posição libertária para a geografia - na tentativa de construir um pensamento geográfico unitário para a disciplina -, posição minoritária entre os geógrafos da época que tinham sua visibilidade muito relacionada aos estados e governos.
Em 1930 é apresentado o “Método Regional”, tida como uma escola influente na evolução do pensamento geográfico, teoria elaborada por Alfred Hettner (1859 – 1945), geógrafo Alemão, que desenvolveu o conceito de “diferenciação das áreas” apresentado uma questão importante ao debate geográfico ao definir: “[...] o caráter singular das diferentes parcelas do espaço adviria da particular forma de inter-relação dos fenômenos aí existentes. A Geografia seria então o estudo dessas formas de inter-relação dos elementos, no espaço terrestre” (MORAES, 1999), para dar respostas às criticas feitas à Ratzel. Este conceito só seria reconhecido após Richard Hartshorne (1899 – 1992), geógrafo estadunidense, ter se dedicado ao desenvolvimento e aprimorar as ideias de Hettner, aprofundado seus estudos.
Até aqui as teorias geográficas se desenvolviam alicerçada no método científico positivista[6], tendo uma diferenciação desse positivismo dentro do método regional como destaca Morais:

A Geografia de Ratzel e a de Vidal tiveram sua raiz filosófica no positivismo de Augusto Comte, a qual foi passada acriticamente para seus seguidores. A geografia de Hettner e Hartshorne fundamentava-se no neokantismo de Rickert e Windelband. O fato de ter sido menos empirista não quer dizer que esta proposta tenha rompido com este traço marcante de toda a Geografia; apenas ela não se negou também ao uso da dedução. (MORAES, 1999, p. 31)
  
 Essas escolas marcaram o pensamento da geografia tradicional, baseada numa geografia de síntese e positivista que era construída em meio aos conflitos por territórios e políticas expansionistas de superpotências da época, nesse sentido a geografia como ciência e responsável pelo estudo geográfico e suas variantes que caiam em dualismos dentro das mais variáveis vertentes: Geografia Física e Geografia Humana, Geografia Geral e Geografia Regional. Esse dualismo dentro da geografia tradicional é explicado com um exemplo por MORAES:

Vidal de La Blache, por exemplo, formula uma proposta que resolve o primeiro e o terceiro dualismo, porém à custa do segundo; sua Geografia é unitária e sintética, entretanto abre mão da generalização, pela perspectiva regional. Hartshorne resolve esta última questão, com a ideia do estudo nomotético e idiográfico, entretanto somente através de uma Geografia tópica. E assim ocorre, em todas as propostas. Todas estas questões forneceram as razões formais para a crítica do pensamento geográfico tradicional, e, assim, foram as condutoras do início do movimento de renovação. (MORAES, 1999, p. 35)


A GEOGRAFIA NUM MOVIMENTO DE RENOVAÇÃO

O movimento de Renovação da Geografia que inicia em após a Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) põem os geógrafos em discussão acerca da Geografia como ciência, pois até o memento ainda se mantinha com os status de uma ciência de síntese. Essa insegurança quanto a sua autonomia – tratado com uma crise da geografia -, GONÇALVES descreve o que era essa crise em um ensaio intitulado “A Geografia está em crise. Viva a Geografia!”:

Muita tinta se tem gasto para discutir o que seria uma geografia científica. Esta busca de cientificidade é, até certo ponto, um esforço de legitimação do intelectual perante a sociedade como um todo. O ritual que envolve o trabalho intelectual tem, portanto, um caráter de busca de legitimidade que dá ao exercício do pensar o real uma dinâmica específica. (GONÇALVES, 1978)

Continua reforçando que:

Todavia, a produção de conhecimento não se dá fora de um contexto histórico-social, onde uma série de linhas de forças se entrechocam na realidade; relações de forças essas das quais o trabalho intelectual tem que dar conta. Através dessas observações, queremos deixar claro que a ambicionada cientificidade, que é o modo específico de legitimação do trabalho intelectual, é relativa na própria medida em que o real é um movimento que se faz através de contradições que, por sua vez, atravessam a própria prática do intelectual. (GONÇALVES, 1978)

Nesse momento da historia da humanidade, com uma crise do capitalismo – ou adaptação do mesmo às novas realidades - em nível global fez cair em descrédito à manutenção de uma geografia atrelada aos interesses aos quais ela serviu muito bem os governos “[...]se discutem os impasses gerados pelo próprio projeto da geografia enquanto um segmento do saber científico capaz de dar conta, compreender e explicar, enfim, os problemas concretos[...]”(GONÇALVES, 1978). A geografia entre então em uma nova ebulição epistemológica que a levaria a conquistar seu objeto de estudo, fazendo com que seja reconhecida e diluísse as inseguranças dentro do meio científico.
A continuidade dessa evolução do pensamento passaria pelo surgimento de novas escolas que trariam debates não mais de justificativa de dominação, mas uma geografia que discutisse novos paradigmas como os ecológicos e de uma sociedade consolidada com o modo de produção capitalista e com os países com suas expansões territoriais estagnadas, essa nova expansão deveria estar baseada na economia e no poderio econômico-financeiro, para esse fim, contavam com a geografia para continuar sua construção epistemológica, agora com um viés mais critico e tendo o espaço como seu objeto de análise.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 Nesse esforça de dar uma visão da evolução do pensamento geográfico inicial, vimos que, há grandes lacunas para melhor entender e ainda mais, descrever num artigo de uma forma mais completa, ou que pelo menos, tenha uma abrangência maior ao tentarmos situar a geografia como uma disciplina e uma ciência da quais todos tenham gosto no aprofundamento de seu desenvolvimento ao longo da historia. Nesse sentido, anexamos (ANEXO I) a este artigo um corte cronológico com os principais pontos apresentados nesse artigo que achamos interessante que esteja acompanhando para termos uma visão panorâmica do que apontamos durante o desenvolvimento do mesmo. Nesse sentido, precisamos destaca de entre os “vácuos cronológicos” e/ou espaço temporal não foi possível, mas existiu, apontar mais visões que de uma maneira ou de outra contribuíram com suas criticas ou atém mesmo com suas práticas de um ensinar ou desenvolver teorias geográficas. O tempo e a historia não parou, e não cessará também as reformulações dessa ciência que contribuí e pode contribuir ainda mais para a transformação e o conhecimento da humanidade.

----------------------------------------------------------

[1] Teoria libertária baseada na ausência do Estado. De um modo geral, anarquistas são contra qualquer tipo de ordem hierárquica que não seja livremente aceita, defendendo tipos de organizações horizontais e libertárias.
[2] Segundo a teoria de Karl Marx o modo de produção capitalista, corresponde uma estrutura de classes, na qual a propriedade dos meios de produção determina a posição da burguesia como classe dominante.

[3] De acordo com a teoria de Karl Marx, a Primeira Revolução Industrial (1820 – 1840), iniciada na Grã-Bretanha, integrou o conjunto das chamadas Revoluções Burguesas do século XVIII, responsáveis pela crise do Antigo Regime, na passagem do capitalismo comercial para o industrial.
[4] Um território delimitado composto por um governo e uma população de composição étnico-cultural coesa, quase homogênea, sendo esse governo produto dessa mesma composição. Isto ocorre quando as delimitações étnicas e políticas coincidem. Nestes casos, normalmente, há pouca emigração e imigração, poucos membros de minorias étnicas, e poucos membros da etnia dominante a viver além das fronteiras.

[5] A unificação da Alemanha, política e administrativamente, em um Estado-nação, realizou-se, oficialmente, no dia 18 de Janeiro de 1871, na Galeria dos Espelhos do Palácio de Versalhes, em França.
[6] O positivismo defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos.



ANEXO I



REFERÊNCIAS

ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia: Ciência da Sociedade. Recife: Ed Universitária UFPE, 2006.

Kroptikin, Piotr. O que a geografia deve ser. Tradução José W. Vesentini. São Paulo: AGB, 1986.  Disponível em: http//w.w.w.geocritica.hpg. com.br/geocritica acessado em:  dezembro, 2013.
MORAES, Antonio Carlos Robert. GEOGRAFIA: Pequena História Crítica. São Paulo, 10ª Ed, Hucitec,1999.


GONÇALVES, Carlos Walter Porto. A Geografia está em crise. Viva a Geografia! Comunicação apresentada no 3.° Encontro Nacional de Geógrafos, julho de 1978, originalmente publicada no Boletim Paulista de Geografia 55, novembro de 1978.

Nenhum comentário:

Postar um comentário